Paróquia Santo Antônio - Itapira - Diocese de Amparo
 
 

DESTAQUES

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:

DESTAQUES

FOTOS EM DESTAQUE

 

O Não de Eloá:

ARTIGO PUBLICADO NO JB, da Dr.ª MARIA ISABEL, PROFESSORA DE PSICOLOGIA.

"O que pode criar um monstro?
O que leva um rapaz de 22 anos a estragar a própria vida e a vida de outras duas jovens por... Nada?
Será que é índole?
Talvez, a mídia?
A influência da televisão?
A situação social da violência?
Traumas?
Raiva contida?
Deficiência social ou mental?
Permissividade da sociedade?
O que faz alguém achar que pode comprar armas de fogo, entrar na casa de uma família, fazer reféns, assustar e desalojar vizinhos, ocupar a polícia por mais de 100 horas e atirar em duas pessoas inocentes?

O rapaz deu a resposta: ela não quis falar comigo . A garota disse não, não quero mais falar com você. E o garoto, dizendo que ama, não aceitou um não. Seu desejo era mais importante.
Não quero ser mais um desses psicólogos de araque que infestam os
programas vespertinos de televisão, que explicam tudo de maneira muito simplista e falam descontextualizadamente sobre a vida dos outros sem serem chamados.
Mas ontem, enquanto não conseguia dormir pensando nesse absurdo todo,pensei que o ‘não’ da menina Eloá foi o único.
Faltaram muitos outros nãos nessa história toda.

Faltou um pai e uma mãe dizerem que a filha de 12 anos NÃO podia namorar um rapaz de 19.
Faltou uma outra mãe dizer que NÃO iria sucumbir ao medo e ir lá tirar o filho do tal apartamento a puxões de orelha.

Faltou outros pais dizerem que NÃO iriam atender ao pedido de um policial maluco de deixar a filha voltar para o cativeiro de onde, com sorte, já tinha escapado com vida.
Faltou a polícia dizer NÃO ao próprio planejamento errôneo de mandar a garota de volta pra lá.
Faltou o governo dizer NÃO ao sensacionalismo da imprensa em torno do caso, que permitiu que o tal seqüestrador conversasse e chorasse compulsivamente em todos os programas de TV que o procuraram.

Simples assim? NÃO. Pelo jeito, a única que disse não nessa história foi punida com uma bala na cabeça."
Autora: Dr.ª MARIA ISABEL, PROFESSORA DE PSICOLOGIA.
 
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
 
 
 

DESTAQUES

Topo Direita

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber atualizações do nosso site:

DESTAQUES

VÍDEO EM DESTAQUE